26
fev
11

O direito de chorar

Os míopes, como eu, sabem: a chegada dos 40 é especialmente dolorosa, pois, à vida cansativa soma-se a vista cansada.

Em minha última ida ao oftalmologista veio a revelação: sofro de ressecamento ocular.

Tenho olhos áridos, retinas desérticas. Logo eu, que choro feito criança em filmes românticos de finais felizes. Logo eu, cuja vida ridícula se assemelha a um dramalhão mexicano, um vale de lágrimas que começa na desgraça e acaba no riso (ou vice-versa). Logo eu,  agora perdi o direito sagrado de chorar.

Mas não doutor, não serei presa do riso fácil, amarelo e sem graça que acomete os quarentões perdidos. Não abrirei mão de minhas lágrimas. Nem que sejam lágrimas secas, evaporadas nas porradas da vida. Disso não abro mão, doutor. Chorar, choramingar, diluir-me , liqüidar-me, liqüidificar-me, secar no sal das lágrimas que queimam minhas retinas fatigadas.

Só assim não cegarei.

Anúncios

1 Response to “O direito de chorar”


  1. março 1, 2011 às 1:42 pm

    Victor, querido, quem tem o coração transbordante de afeto como você, jamais esboçará um sorriso amarelo nos lábios. Você é poesia, sempre será! Seus olhos podem secar, mas sua alma , continuará jorrando amor e poesia como uma cachoeira.
    Te adoro, amigo !


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: