11
maio
09

Conexão improvável

Diz uma personagem de Dostoiéwski, em Os irmãos Karamázov, que uma boa provisão de lembranças felizes faz com que a pessoa se salve na vida adulta.

Em 1991, fazia eu o censo numa rua de Copacabana quando entrei no apartamento de uma senhora chamada Hannah.  De início, ela foi um pouco distante comigo, polida, mas fria.

Pensei em logo terminar meu trabalho e sair o mais rápido possível dali.

Ocorre que , em 10% dos domícilios visitados, tinha-se que aplicar um questionário  maior, perguntas sobre onde o entrevistado estava morando 10 anos antes, no que tinha trabalhado, detalhes de sua vida pregressa do entrevistado, etc.

Ao perguntar onde ela morava em 1980, D. Hannah, sem querer, falou que aquele era o ano em que seu marido havia falecido. E surpreendentemente começou a chorar. Eu não sabia o que dizer, ela me pediu desculpas pelo choro, eu pedi desculpas pela pergunta  e  ela começou a falar de sua vida. E contou-me (sem lamentações) que seu nome era Hannah pois suas duas avós chamavam-se Ana – então ela era Ana duas vezes, falou do casamento com o marido diplomata, da vida na Europa e da beleza dos campos floridos do Líbano pré-guerra,  do filho único que morava longe e do qual ela sentia falta, e falou mais, muito mais e eu já não queria mais sair dali, entretido que estava na conversa. E tomamos café e ela me perguntou se eu estudava e dos meus planos para o futuro.

E assim foi. Uma improvável harmonia entre uma senhora de 83 anos e um rapaz de 21.

Anúncios

3 Responses to “Conexão improvável”


  1. maio 11, 2009 às 6:03 pm

    Como sempre digo, as pessoas estão ávidas por contato real, morno. Mesmo preso nas gaiolas de aço da cidade o coração humano pulsa em busca de ecos.

  2. 2 Julia
    maio 12, 2009 às 12:33 am

    Encontros inusitados que nos marcam para sempre. A vida não é mesmo incrível? Muito legal essa sua experiência.

  3. maio 12, 2009 às 2:03 pm

    Essas pessoas que passaram, que eu vi um dia e depois nunca mais, às vezes fico me perguntando se elas têm consciência do quanto foram importantes pra mim naquele momento. Às vezes quero encontrar essas pessoas novamente, só pra dizer que eu não esqueci, que elas ficaram marcadas.
    Beijos.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: